Resultado de Exames

Central de Atendimento

Pronto Atendimento

(51) 3023.9090

Notícias

Neuronavegação: rumo à saúde do cérebro

16.Março.2015

Neurocirurgias de alta complexidade guiadas por computadores e imagens tridimensionais qualificam o desempenho das equipes médicas e oferecem maior segurança aos pacientes. É o novo mundo da neuronavegação que ganha terreno nos principais hospitais brasileiros. Referência nacional em Neurocirurgia, o Hospital Beneficência Portuguesa disponibiliza, em Porto Alegre, essa tecnologia de última geração.

A neuronavegação permite correlacionar as imagens da anatomia do paciente obtidas durante a etapa pré-operatória. Na sala de cirurgia, elas são acessadas em tempo real e comparadas por meio de um software. Cria-se, assim, um sistema de mapeamento em três dimensões que aumenta a eficácia das ações cirúrgicas. A tecnologia possibilita, por exemplo, melhor visibilidade da área lesada por tumores cerebrais, e permite que o cirurgião exerça seu ofício com precisão milimétrica, evitando danos ao tecido cerebral normal. A comparação é inevitável: o neuronavegador orienta o cirurgião com a ajuda de laser ou caneta com sensor, como se fosse um GPS. Assim que o médico o direciona para determinada região cerebral, as coordenadas são acionadas, indicando os dados do paciente.

Beneficência estende tecnologia
de vanguarda aos pacientes do SUS

Aos pacientes, a neuronavegação proporciona redução dos riscos de infecções e de lesões graves em áreas sensíveis e profundas do cérebro, como as responsáveis pela movimentação dos membros, da fala e da visão. O tamanho da incisão é menor, assim como o número de horas empregadas durante as cirurgias convencionais, que, em média, alcançam seis horas. Também o tempo dedicado à recuperação é inferior, se confrontado com o pós-operatório dos procedimentos tradicionais. O uso dessas técnicas inovadoras pode antecipar a alta, em razão da diminuição do trauma cirúrgico. Em consequência, o paciente volta às suas rotinas e ocupações profissionais em menos tempo.

Segundo Ivan Chemale, médico-chefe da Neurocirurgia da Beneficência Portuguesa, as instituições hospitalares brasileiras ainda não obtêm o retorno dos investimentos em neuronavegação, uma vez que os benefícios dessa tecnologia não são plenamente reconhecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e por planos de saúde privados. Mesmo assim, a Beneficência Portuguesa, tradicional entidade filantrópica que festeja 161 anos de existência, estende a utilização do neuronavegador aos pacientes do SUS.

Assessoria de Comunicação

Foto: Portal Hospitais Brasil

Veja matéria publicada em 13/03/15 no Portal Hospitais Brasil http://bit.ly/1BoSY70

ver todas